InícioInício  FAQFAQ  BuscarBuscar  Registrar-seRegistrar-se  MembrosMembros  GruposGrupos  Conectar-seConectar-se  

Compartilhe | 
 

 Imagens de sucesso?

Ir em baixo 
AutorMensagem
Vitor mango

avatar

Mensagens : 4711
Data de inscrição : 13/09/2007

MensagemAssunto: Imagens de sucesso?   Dom Set 16, 2007 3:14 pm

Imagens de sucesso?


Elisa, Ferreira, Eurodeputada

Que está a acontecer aos dois mais jovens estados-membros da União Europeia (UE), recém-chegados em 2007? Foi esta pergunta que justificou a "visita-relâmpago" que a Comissão de Assuntos Económicos do Parlamento Europeu acaba de organizar à Bulgária e à Roménia.

Dir-me-ão, algo justamente, que um dia e meio não dá para "aprender" nada; essa foi também a reacção dos meus inesperados companheiros de viagem no avião de Bruxelas para Sófia uma comitiva de 20 elementos da equipa de Futsal do Benfica, únicos portugueses a bordo e com os quais - acreditem ou não! - tive interessantes conversas sobre temas completamente laterais às nossas inultrapassáveis diferenças clubistas.

De todo o modo, e ao invés daquela expectativa minimalista, foi possível que na quarta-feira, em entrevistas sucessivas de uma hora rigidamente gerida, falássemos em Sófia com o ministro das Finanças, o ministro da Reforma Administrativa, o governador do Banco Central, as principais centrais sindicais, a Comissão Parlamentar de Economia e Finanças, o supervisor do Mercado dos Valores Mobiliários e a Associação dos Bancos da Bulgária; e que realizássemos, no dia seguinte, um programa semelhante em Bucareste. No final, o conhecimento não será profundo mas ficam primeiras impressões suficientemente completas para ajudarem a estruturar uma razoável leitura das realidades em presença.

Começo por sublinhar que, quer a qualidade dos núcleos urbanos (dos monumentos às eternas lojas de marca nas grandes artérias) quer a desenvoltura e atitude dos responsáveis políticos, em nada correspondem ao que se poderia esperar de dois países cuja riqueza pouco ultrapassa 1/3 da média da UE (35.7% e 36.3%, respectivamente, para a Bulgária e Roménia em 2006) e cujos índices de corrupção figuram, juntamente com os da Polónia, entre os mais elevados da UE. Por outro lado, todos temos memória da enorme crise social e económica que acompanhou ambos os países na sua trajectória de passagem, durante a década de 90, de economias planificadas para economias de mercado. A título ilustrativo, refira-se que, na Bulgária, em 1997, a inflação atingia 1061%, a taxa de câmbio da moeda local face ao dólar deslizava 600% e vários bancos declaravam-se falidos; dez anos passados, o panorama é de estabilidade, registando-se um excedente orçamental acima dos 3% e uma taxa de crescimento da riqueza nacional acima de uns invejáveis 6% (situação idêntica à da Roménia).

Seria de esperar que tal evolução tivesse gerado uma sensação de conforto e optimismo ou, mesmo, um surto de popularidade e entusiasmo em relação a uma UE que, não tendo sido a protagonista desse desempenho, claramente contribuiu para esta nova etapa de relativa prosperidade. Surpreendentemente, deparámo-nos com o contrário o discurso crispado dos parceiros sociais, sindicatos em particular, e as tensões sociais e políticas internas justificam uma sensação generalizada de frustração em relação ao momento actual (englobando a UE e totalmente compatíveis com os níveis baixíssimos de participação nas eleições europeias).

Mais em detalhe, acaba por verificar-se que a aproximação e concretização da adesão gerou, ao mesmo tempo que um redireccionamento das relações comerciais dos tradicionais parceiros do Leste Europeu para os da UE, um surto de importações imparável e que as exportações têm crescentes dificuldades em acompanhar. Por outro lado, as empresas estrangeiras instalam-se no mercado e provocam subidas espectaculares no preço dos imóveis e controlos integrais de alguns sectores - na Bulgária, por exemplo, mais de 95% do sector bancário e de 80% do sector segurador são dominados por capital estrangeiro. Segundo os sindicatos, o estado dos serviços públicos sociais, de educação e de saúde faz recordar com saudade tempos idos que prefeririam poder esquecer rapidamente; entretanto, e enquanto os salários dos lugares de responsabilidade nas grandes companhias atingem os níveis de Londres ou Bruxelas, o salário mínimo búlgaro é de 90 euros mensais e o romeno de 100; acresce que a emigração faz sair os mais qualificados (às centenas de milhar), enquanto emigrantes e empresas mais ou menos clandestinos, sobretudo de origem turca e chinesa, vão entrando no mercado local com salários ainda mais baixos. E, dos abundantes fundos estruturais a que ambos têm direito, não há qualquer sinal nem evidência…

Uma nota adicional quanto ao tema quente das agendas políticas depois de a Roménia ter adoptado uma taxa única de 16% sobre os rendimentos, quer das sociedades quer das pessoas (independentemente do escalão de rendimentos), chegou a vez de a Bulgária se preparar para fazer o mesmo (falta apenas a aprovação do Parlamento) mas, desta vez, a um nível de 10%. Perguntam-nos, a propósito: "Não é a Europa um espaço de concorrência e os impostos uma matéria de autonomia nacional?" E adiantam, nessa linha: "Nós limitamo-nos a jogar o jogo segundo as regras; e está a resultar"!

Tudo isto dá que pensar e requer resposta cabal no quadro da UE. Também aqui, este espaço de integração à escala regional/continental tem de ser capaz de conseguir compatibilizar a afirmação do seu peso internacional com as aspirações de ascensão social dos cidadãos que a compõem. Um desafio que continua na ordem do dia!

Elisa Ferreira escreve no JN, semanalmente, aos domingos
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
 
Imagens de sucesso?
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
 :: Europa e o Mundo-
Ir para: